sexta-feira, 18 de março de 2011

ANJO BOM

E ainda lembrando o meu amigo, aquele menino homem, que todo Arez chorou a sua perda, desde à criança ao idoso; eu escrevi e intitulei:

                 ANJO  BOM                                  

Anjo Bom que passou tão pouco tempo
No nosso meio nos trazendo alegria
Mas, na vida vem as circunstâncias bruscas,
E de repente acontece: quem diria;

Surpresos, chocados e perplexos
Ficamos, e ficou assim todo Arez
Mas Deus na sua infinita sabedoria,
Manda um dia, e a noite, mais uma vez.

Vem as lembranças, vem os sonhos não realizados
A dor da perda, choro forte, bate a saudade,
Parece até que arrancaram do coração
Uma parte muito grande, deixando apenas a solidão

Ansiedade angustia, e a falta que é demais
Se foi ele, o "ANJO BOM",
E não volta nunca mais.

25.11.2005--Marluce Aires da Silva

2 comentários: